Por Redação

O juiz Daniel Cabral Mariz Maia, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), mandou soltar os vereadores da cidade de Parnamirim (RN) presos na “Operação Dízimo”, deflagrada pelo Ministério Público Estadual (MPRN) nesta sexta-feira (18). Ítalo de Brito Siqueira e Rhalessa Cledylane Freire dos Santos, o ex-vereador Alex Sandro da Conceição Nunes da Silva tiveram os pedidos de habeas corpus aceito pelo magistrado.

Além deles, também foram beneficiados o ex-chefe de gabinete do vereador e presidente do Partido Solidariedade em Parnamirim Sandoval Gonçalves de Melo e o diretor do Clube de Futebol Visão Celeste, Danilo Rodrigues Peixoto de Vasconcelos.

Os habeas corpus foram solicitados pelos advogados de Ítalo Siqueira, Alex Sandro, Sandoval Gonçalves e Danilo Rodrigues ainda durante a sexta-feira, e acatados pelo magistrado no final da noite. O benefício foi estendido a todos os acusados pela operação.

Na decisão, o juiz determina a revogação da prisão temporária “até o julgamento final” do processo e determina a “imediata soltura” dos acusados.

De acordo com a decisão, a “liminar deferida tem seus efeitos extensíveis aos demais corréus que sofreram as consequências coercitivas da decisão judicial ora atacada”, tendo em vista “o título relativo à ordem de prisão é o mesmo, não apresentando peculiaridades subjetivas”.

Operação Dízimo

Segundo o MPRN, o objetivo da operação é investigar a possível ocorrência de crimes de falsidade ideológica eleitoral, lavagem de dinheiro, peculato e associação criminosa na cidade de Parnamirim durante as eleições de 2020.

Ao todo, a operação Dízimo cumpriu 5 mandados de prisão temporária e outros 10 de busca e apreensão, em Parnamirim. A ação contou com a participação de 15 promotores de Justiça do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), 17 servidores do MPRN e 68 policiais militares.

Fonte: 98 FM