Os agentes de fiscalização ambiental da Prefeitura de Parnamirim, em deslocamento para cumprir um serviço de rotina, se depararam na manhã da última quarta-feira (9), com o flagrante de uma situação de crime ambiental. No exato momento da passagem da equipe por um trecho do bairro de Cajupiranga, os servidores constataram uma queimada provocada pela ação de funcionários de uma obra que acontecia nas imediações.

Diversas espécies, como cajueiros e coqueiros, foram cortadas de um terreno e divididas em duas partes, uma delas estava sendo queimada e a outra era carregada com o auxílio de um veículo de grande porte. Essas condutas configuram crime ambiental. De acordo com a Semur, antes da extração de espécies frutíferas, um estudo por parte dos fiscais ambientais deve ser feito, identificando a possibilidade da execução e a necessidade de replantio. A queimada é outra conduta que deve ser evitada, pois ocasiona mudança da temperatura e umidade do solo, diminuição da biodiversidade e piora na qualidade do ar.

O responsável pela conduta não estava presente. Ele foi contatado e, depois de chegar ao local, notificado a comparecer à sede da Semur para prestar os devidos esclarecimentos. De acordo com a equipe de fiscalização, a maior dificuldade desse tipo de trabalho é justamente o flagrante das situações de descumprimento, quando as irregularidades geralmente acontecem. É a situação de flagrante que possibilita a identificação do autor da conduta para que as devidas providências sejam tomadas. A população pode ajudar, denunciando irregularidades à Semur pelo 156 ou 3644-8249.

Fonte: Prefeitura de Parnamirim